15 maio 2008

Orientação Nutricional para Diabetes (Pré-Diabetes)

Postado por Isnádia Costa em: Nutrição e Diabetes .

A Diabetes passa a existir quando o pâncreas começa a produzir uma quantidade insuficiente de insulina ou uma insulina ineficaz, necessária para metabolizar a glicose do sangue, que não pode permanecer elevada (Taxa de glicose normal atual: 70 – 99mg/dl).

Principais Fatores de Risco do Diabetes Tipo 2:
1) Obesidade: Quanto mais gorda é a pessoa, maiores os riscos de ela vir a desenvolver “Diabetes”, que não tem cura.

2) IGT: Sigla em inglês para “Tolerância diminuída à glicose”. O IGT define-se como o estágio anterior ao Diabetes. O paciente ainda não está diabético, mas sua capacidade de produzir insulina não é suficiente para manter os níveis de glicemia dentro do normal. Índices glicêmicos de 100 – 125mg de açúcar por decilitro de sangue compõem quadros de IGT.

3) Circunferência Abdominal: Quanto mais esta medida for acima de 80cm (mulher) e 90cm (homem), maiores são os riscos de desenvolvimento da “Diabetes”. Portanto, emagrecer torna-se uma prevenção.

4) Sedentarismo: A inatividade física contribui para o acúmulo de açúcar no sangue. Durante a ginástica, o organismo utiliza parte da glicose como energia e, como esse efeito tende a perdurar mesmo depois do exercício, a prática regular da atividade física evita a alta nas taxas de glicemia.

5) Hereditariedade: Pessoas com parentes vítimas de Diabetes têm maior probabilidade de vir a ter a doença. Quanto mais próximo for o parente, maiores serão os riscos. Neste contexto, vale a pena procurar um nutricionista para começar a fazer um processo de “Reeducação Alimentar” e adequar o peso (se necessário) como medidas preventivas da doença, que não tem cura. Só agravantes, se não for devidamente tratada e o paciente conscientizado de como se alimentar.

6) Stress: Sob pressão constante, o organismo aumenta a produção dos hormônios “adrenalina” e “cortisol”, que inibem a ação da insulina.

7) Triglicerídeos Elevados: Altas taxas desse tipo de gordura no sangue comprometem a ação da insulina.

8) Diabetes Gestacional: As mulheres que durante a gravidez tiverem “Diabetes” ou as que deram à luz bebês com mais de 4 kg têm propensão a desenvolver a doença em idades mais avançadas. Portanto, grávidas (no início da gravidez, de preferência) ou futuras grávidas que estiverem na faixa de sobrepeso ou obesas devem procurar um nutricionista, para orientar sobre a alimentação durante toda a gravidez, como forma de prevenir a “Diabetes Gestacional” e de ser uma futura diabética.

Epidemia Silenciosa:
> No Brasil há 10 milhões de diabéticos.
> 90% são portadores do “Diabetes tipo 2”, versão da doença muito associada aos maus hábitos da vida moderna.
> Metade não sabe que está doente.
> Cerca de outros 5 milhões de brasileiros estão num estágio conhecido como “pré-diabético”, ou seja, se não se cuidarem, fazendo uma avaliação nutricional com nutricionista, poderão desenvolver a doença. Cerca de 50% das pessoas “pré-diabéticas” evoluem para a “Diabetes”.

Sintomas do Diabetes:
> Vontade freqüente de urinar, sede excessiva, fome constante, perda rápida de peso, visão turva, formigamento ou ardor nas extremidades das mãos ou dos pés, dificuldade de cicatrização e infecções recorrentes de pele, gengiva ou couro cabeludo.
> O conjunto desses sintomas recomenda um exame de sangue, para medir o nível de glicemia. Se ele for igual ou superior a 126mg/dl de sangue, o diagnóstico é de Diabetes.
> Se a Pré-Diabetes ou a Diabetes forem diagnosticadas, o paciente deve procurar um nutricionista, urgente!!!!

Fonte: Revista “VEJA” – Janeiro/2003.

Comentários não disponíveis nesse post.

Leia meus Artigos!

Marque uma Consulta!

Dra. Isnádia Costa - CRN:1700

End: Rua Carolina Sucupira,135
Tel: 3244-5454

Fortaleza - Ceará